Começo de carreira, com Vitor Peçanha

Olá! Hoje começamos a série “5 ideias sobre…” com perguntas simples sobre temas relevantes no mundo de tecnologia e startups.

No primeiro post da série, recebemos o super-Vitor Peçanha, co-founder da maior empresa de Marketing de Conteúdo da América Latina, a Rock Content.

Vale lembrar: essas perguntas foram feitas originalmente pela querida Manuela Lenzi, Gerente Geral de Implementação (Customer Success) na Resultados Digitais em um projeto de um Podcast que -por enquanto- deixamos de lado.

Sem mais delongas, com vocês, Peçanha responde sobre o assunto “Começo de Carreira”!

 

1-Acho que o Peçanha da Rock as pessoas conhecem já. Mas e o Peçanha antes da Rock Content? Se eu chegasse em uma mesa de amigos da faculdade na UFMG e pedisse para te definirem como estudante, o que eles me contariam?

Se fosse bem no início da faculdade: o Peçanha é aquele “cabeção” que está tirando nota alta em todas as matérias.

Mas no meio da faculdade eu comecei a aprender pra que serve a faculdade: interagir com os outros, encher a cara e continuar tirando nota boa, ou seja,  eu me tornei mais social!

 

2-Tem alguma coisa que você fez na sua carreira que vê que qualquer pessoa poderia fazer também?

Minha carreira não tem muitos momentos únicos, determinantes. Ah, claro! Tirando uma vez que eu passei num concurso público, recusei e todo mundo achou que eu era louco! (risos)

Mesmo que eu seja enviesado para o lado de startup e tecnologia, eu diria que:

  • Sempre permanecer estudando: por mais que pareça clichê, sempre defendo aqui na Rock Content, que: “todo mundo pode ser bom para estar fazendo o trabalho de hoje, mas muitos podem não conseguir fazer o trabalho daqui a um ano”;
  • Aprender a programar: entender lógica de programação não é só para programadores. Ter uma ideia para botar um MVP (Produto Mínimo Viável) no ar, sem depender de terceiros é algo ótimo! Programar em HTML não é algo complicado, basta querer estudar;
  • Design de interação: fiz inclusive uma Pós-Graduação nisso. Me ensinou a parar de achar as coisas e aprender como descobrir as coisas. Olhar para o usuário, tirar o “eu acho” e tomar decisões baseadas em dados.

 

3-Se você estivesse fazendo uma mentoria para alguém em início de carreira, quais conselhos daria?

Gosto muito do livro “O Lado Difícil das Situações Difíceis” de Ben Horowitz.

Ele diz algo como: “As coisas mais importantes da sua empresa (pessoas, produtos e lucro), estão nessa ordem de prioridade”.

Muito do que você vai conseguir na sua carreira tem totalmente a ver com como você lida e trata as pessoas.

Quando estou treinando algum gerente meu, por exemplo, nunca parto do princípio de que as pessoas tem algo contra mim. No trabalho existem situações de conflito que não são pessoais! São negócios.

Você nunca pode ser aquela pessoa que tem raiva das pessoas, e sim entender a motivação que há por trás dos outros, por exemplo.

Li um livro chamado “Princípios” de Ray Dalio, onde ele mostra que mapear os princípios e segui-los é algo muito importante! E percebo que com isso, viver e conviver com pessoas vale mais do que conhecimento técnico.

 

4-Quando você sentiu que estava trilhando uma carreira de sucesso – qual foi sua virada de chave?

Essa pergunta é difícil! Mas agora, após termos completado 5 anos de Rock Content é difícil falar “daquele momento exato” mas sim de pequenas conquistas.

Mas se fosse escolher algo, lembro de um em especial há 2 ou 3 anos atrás.

Em um mês difícil, estava com meu sócio na Rock Content (Edmar Ferreira, o Ed) que me falou: “Peçanha:  pense em tudo o que já somos e o que conquistamos! Hoje não somos mais uma empresa que some do dia pra noite.”

E pensei que era verdade. Eu ainda tenho a insegurança de uma pessoa que tem uma empresa. Mas hoje pensando que foi algo construído, que tem uma “vida própria”, com uma empresa que tem uma imagem além dos founders: isso é sucesso, pra mim. Ter construído isso, muito mais do que “Peçanha figura pública” (palestras, livro, etc.) ! 

 

5-Qual foi a frase que já te falaram que você lembra que mais impactou?

Com certeza o que virou o título do meu livro: “Obrigado pelo Marketing”.

Ouvi essa frase no RD Summit 2015 de alguém que achou muito bacana me conhecer, e me agradeceu muito e agradeceu muito a Rock Content pelo trabalho que é feito.

Isso foi uma prova de que tenho um impacto positivo sobre alguém. Ajudar os outros é muito legal!

2 comentários em “Começo de carreira, com Vitor Peçanha”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.