Minimalismo no Instagram: um experimento

Antes de mais nada, esse não é um post do tipo: “As redes sociais são coisas malignas” nem “Deletei todas as minhas redes sociais”.

É um post-experimento de alguém que começou a parar de gastar tanto tempo no Instagram, e nada mais que isso.

A motivação

Há um tempo atrás percebi quanto tempo estava gastando no Instagram, mais especificamente no feed, ou seja, ir “descendo” as Publicações e “deslizando pro lado” os Stories. Era bastante tempo.

Muitas vezes até, durante reuniões com clientes em que minha mente estava longe para me concentrar, fazia isso como que automaticamente sem prestar nem atenção no que estava vendo. Como se fosse hipnotizado pelo feed.

Às vezes parava em filas, tipo fila para pagar meu almoço, e imediatamente ia conferir o feed do Instagram, e tantos outros exemplos que não vou entrar para não me estender.

Pensei: opa! Isso já está passando dos limites.

As regras do meu Minimalismo no Instagram

Como utilizo meu Instagram para diversos tipos de coisas, especialmente divulgações e compartilhamentos de coisas relacionadas a ActiveCampaign; a palestras ou eventos que os criadores pediram que eu compartilhasse; e também raros posts pessoais, as regras que estabeleci foram:

  • Não vou deletar minha conta do Instagram
  • Posso baixar o Instagram para postar (Stories ou Publicações) esporadicamente, e logo depois deleto novamente
  • Posso ver o “Instagram Web” algumas vezes na semana para conferir se existe alguma mensagem importante
  • Em ambos os itens anteriores, não posso rolar o feed, em Publicações ou Stories

Dito isso, como apontei no início, vocês notam que não é uma aventura radical de deletar essa rede social e jogar tudo pro alto.

Mas, queridos leitores, só de seguir as regras acima a diferença foi absurda até aqui.

Afinal, por que eu passava tanto tempo no Instagram?

Me fiz essa pergunta, e meu “eu, amante do Instagram” respondeu:

  1. Pois você se atualiza de amigos e conhecidos: aniversários, novidades, viagens e afins
  2. Pois você se atualiza de notícias: aqui em Floripa, preciso pagar uma mensalidade do Diário Catarinense para ler uma matéria completa, mas Instagram’s alheios conseguem me dar a mesma informação
  3. Pois você se atualiza de importantes personagens do mercado de tecnologia e startups: acompanhar o dia a dia de evangelizadores de mercado, founders, e afins
  4. Pois é um passatempo: ninguém é de ferro

Pelo menos era o que eu achava!

No fundo, os 4 pontos acima na verdade se mostraram muito mais isso aqui:

  1. Eu sabia tudo o que todos que sigo estavam fazendo e a imensa maioria dessa informação é inútil
  2. Posso me atualizar das notícias simplesmente assinando o “The News” ou até 1x por dia acessando mídias regionais para saber da minha cidade e estado
  3. Sobre evangelizadores do mercado, quem se importa que acordaram 5 da manhã e compartilharam que foram na academia? Admito que alguns “Perguntas e Respostas” eram úteis, mas mesmo assim, muita informação
  4. Sobre passatempo, para todos os mortais existem 24h e não necessariamente preciso passar o tempo no Instagram nessas preciosas horas da vida.

Sendo assim, concluo o experimento.

Aprendizados e percepções da vida sem feed do Instagram até então

Tive alguns aprendizados e percepções que compartilho em itens, abaixo:

  • Desatualização de pessoas próximas: Eu literalmente perco praticamente todos os aniversários que via; o avô de uma amiga faleceu e não dei os pêsames pois não fazia ideia; uma pessoa conseguiu um novo emprego ou fez alguma mudança de vida e eu não fico sabendo; um amigo foi trabalhar em uma pizzaria e eu soube tempos depois, por terceiros; as pessoas comentam algo porque é quase “óbvio que você viu no meu Story ontem” – e não, preciso responder que não vi. Você fica por fora de tudo, mas vai se acostumando.
  • Desatualização do mundo: Não assisti essa edição do Big Brother Brasil, mas com Instagram com certeza eu saberia de imensa maioria dos fatos em primeira mão. Sem Instagram, não. Eu me livro e me privo de informações do que está “bombando” no momento, seja um filme, uma série ou coisas do tipo. Fiquei chateado pois descobri que um personagem engraçado chamado Cartolouco estava jogando futebol pelo Resende, no último episódio da sua série do YouTube. Mas maioria das coisas não fazem falta!
  • Eu perco o que pessoas mandam por inbox: Muitas vezes aquela pessoa querida está vendo uma Publicação ou Story e te manda! Normalmente eu perco o timing e não consigo ver o que era, mas noto que as pessoas também notam isso e param de mandar, eventualmente.
  • Eu ganhei muitas horas de vida: Consegui adiantar muitos e bons livros que estava lendo, comprar mais livros e ter um momento de paz no dia em que não tenho novidade alguma a ver senão os próprios livros. Eles são uma grande novidade, mesmo que escritos há anos atrás. Meu Kindle teve que ser carregado algumas vezes. Também baixei e uso o Feedly para posts de Blogs sobre coisas que me interessam. Reforço tudo o que acho sobre isso nesse post: “Somos a média do conteúdo que consumimos”.

Enfim, acredito que no fundo essa escolha Minimalista para o Instagram está valendo a pena.

Tempo vale muito mais que dinheiro, como reforçaria Scott Belsky em “Ferramenta dos Titãs”:

“Às vezes é necessário parar de fazer algo que adoramos para cuidarmos do que é mais importante”

Até a próxima!